Home » 2015 » janeiro

PÊNDULO DA VIDA

Jesus caminhava entre amigos, admiradores, curiosos e certamente malfeitores, quando um jovem bem apessoado composto por boa vestimenta o interrogou: … Senhor o que devo fazer para segui-lo? – deixa tudo que possui, toda a riqueza e venha. Atrasando propositalmente os passos, recuou em sua caminhada ate desaparecer na multidão, enquanto o Mestre seguia firme Continue Lendo


O QUE SOMOS

O filósofo August Conte escreveu: “É mais fácil conhecermos aquilo que não somos do que aquilo que somos”. Em uma olhada geral por nossa maneira de pensar e nosso modo de viver, podemos concluir que o sábio pensador está com boa parte da razão, e, talvez, por não conhecermos aquilo que somos, nos deixamos conduzir Continue Lendo


O BEM NECESSÁRIO

Uma pesquisa realizada entre profissionais com alto nível de escolaridade e especialização mostrou ser a dificuldade na convivência a causa mais comum para demissões. Informalmente, vemos trabalhadores qualificados dizerem que é mais fácil gerir uma indústria que meia dúzia de pessoas. Tal dificuldade é mais comum e antiga que possamos pensar. Paulo, o apóstolo, nos Continue Lendo


EM NOSSAS MÃOS

No estudo da doutrina espírita, aprendemos que todos somos dotados do livre-arbítrio, que consiste na liberdade de escolha e, claro, suas consequências. Existe neste contexto outro aspecto pouco observado; quando escolhemos alguma coisa, aonde ir, o que comer, com quem estar, naturalmente recusamos a escolha oposta. Então, o livre-arbítrio é também uma força íntima para Continue Lendo


EM BOA COMPANHIA

O fracasso explicito das instituições públicas expostos de modo parco na grande mídia não esconde o descontentamento exposto pela movimentação popular. O grito escapando do peito demonstra a aflição oprimida pelo descaso com quem vem sendo tratada historicamente a população deste país. A ausência de progresso já foi responsabilidade de nossas origens. Diziam os racistas Continue Lendo


DIANTE DA DÚVIDA

O homem caminha pelo planeta encerrado em um continente, dentro de uma cidade, percorrendo uma rua em busca de um sonho, talvez nem ele próprio saiba que sonho é. Simplesmente vaga de lá para cá e vice versa. Do berço ao túmulo ocupa instintivamente o espaço que lhe é determinado pela vida, sem que traga Continue Lendo