Home » Artigos » AJUDANDO SEMPRE

AJUDANDO SEMPRE

Os ensinos ministrados por Jesus Cristo compõem a grande revolução de progresso moral da humanidade, para todas as raças e em todos os tempos. Suas lições e seus exemplos exigem que o aprendiz dedique-se aos estudos e às reflexões para que os aplique com o vigor do Mestre. Ao ouvirmos “amar ao próximo”, considerando que sabemos o significado da palavra amor, procuremos pensar como o próprio evangelista: “E quem é o próximo?” (Lucas, 10:29).
O próximo a quem devemos prestar imediata atenção e assistência é a pessoa que se encontra mais perto de nós. E como a divina lei nos recomenda que amemos ao próximo como a nós mesmos, e se temos a intenção de praticar um pouco do tanto que aprendemos no Cristianismo, devemos nos preparar fortemente para ajudar infinitamente. Mas é fundamental outro aprendizado. Para socorrer a outrem, devemos nos ajudar primeiro. É necessário que a tranquilidade banhe o pensamento, para que as ações seguintes não sejam conturbadas. Devemos ter a compaixão e a bondade como regentes dos passos a serem dados, para que a concórdia e o equilíbrio emocional se façam presentes nos corações carentes de amparo.
Para amar ao próximo, antes de mais nada, devemos amar a nós mesmos e isso o fazemos, evitando que a revolta assuma o controle de nossos pensamentos, afastando a raiva e a vingança das palavras a serem ditas, eliminando a exasperação de nossa vida.

Agasalhando a serenidade, poderemos com força e equilíbrio analisar cada pessoa e lugar onde e com quem estejamos e assim auxiliar, para que o bem seja presente na justa medida das possibilidades sem a pretensão de instalar o Céu na Terra, mas exemplificando a bondade ensinada por Jesus. Pois foi o Cristo de Deus o primeiro que amou e amparou, lutou em favor da luz resistindo às sombras da ignorância, legando a todos indistintamente as possibilidades de progresso infinito. A colheita só é possível àquele que semear, caminhando para adiante, com o suor e confiança, esforço e paciência para compreender em plenitude como amar a Deus e ao próximo como a nós mesmos.

(Artigo publicado no dia 7 de março de 2015 no Jornal ‘Tribuna de Minas’ por Iriê Salomão de Campos – Comunidade Espírita “A Casa do Caminho”)